Bolsonaro ‘atirou e matou o carteiro’ com demissão do presidente do Inpe

Compartilhe agora

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) atirou e matou o carteiro, no sentido figurado, ao provocar a exoneração do diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Magnus Osório Galvão.

Bolsonaro alvejou o diretor do Inpe ao acusá-lo de mentir sobre os dados do desmatamento e atuar a “serviço de alguma ONG” estrangeira.

A princípio, Galvão que tinha mandato de 4 anos à frente o órgão disse não pediria demissão. Porém, após conversar com o ministro da Ciência e Tecnologia, o astronauta Marcos Pontes, pediu exoneração do cargo.

LEIA TAMBÉM
Vaza Jato: Deltan Dallagnol, tic-tac, tic-tac, tic-tac…

Filha do presidente da OAB é atacada por robôs bolsonaristas nas redes

Após visita a Lula, Gleisi anuncia agenda de lutas para o mês de agosto

Deltan Dallagnol fora da Lava Jato, exigem ministros do Supremo

“Ao fazer acusações sobre os dados do Inpe, na verdade ele faz em duas partes. Na primeira, ele me acusa de estar a serviço de uma ONG internacional. Ele já disse que os dados do Inpe não estavam corretos segundo a avaliação dele, como se ele tivesse qualidade ou qualificação de fazer análise de dados”, retrucou o “carteiro”, isto é, Galvão.

Até as árvores que tombam na Floresta Amazônica sabem que uma área equivalente à Manhattan, em Nova York, é devastada diariamente. A imprensa de todo o mundo também registra a morte anunciada da flora e da fauna brasileiras. Entretanto, Bolsonaro nega o fato na mesma intensidade que afirma que a terra é plana.