Flávio Dino quer Lula no ‘Caldeirão do Huck’ em 2022

Compartilhe agora

O governador do Maranhão, Flávio Dino (M65), à BBC News Brasil, disse que não economiza esforços para que o ex-presidente Lula (PT) e o apresentador Luciano Huck (Globo) estajam juntos em 2022. “Ao menos no 2º turno”, contenta-se.

Dino repete como um mantra a necessidade de uma frente ampla contra o obscurantismo. Além disso, o governador maranhense não quer que a esquerda brasileira chegue ao pleito de 2022 isolada. Por isso ele justifica seu trabalho para construir uma aliança desse grupo [de esquerda] com setores de “pensamentos liberais, mais pró-mercado”.

A BBC destaca que Flávio Dino teve encontros, separadamente, em janeiro, com os ex-presidentes Lula e Fernando Henrique Cardoso (PSDB), e com o apresentador da Rede Globo Luciano Huck, que não é filiado a partido, mas participa de movimentos que buscam impulsionar novas lideranças políticas como Agora e RenovaBR.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), responsável pela aprovação das reformas neoliberais, também integra o espectro de alianças de Dino.

O serviço de notícias britânico, em língua portuguesa, a despeito da obsessão de Dino para unir o apresentador da Globo e Lula, lembra que Huck disse no segundo turno de 2018 que “no PT jamais votei e nunca vou votar”. Por outro lado, anota a BBC, o petista vergou em 2002 para vencer a eleição.

LEIA TAMBÉM
Huck é ‘arma secreta’ da Globo contra o PT em 2022

Bretas ‘segue os passos de Moro’ ao se aproximar de políticos, diz advogada pela democracia

Vem aí nova greve de caminhoneiros na quarta-feira, dia 19

“Eu espero e luto para que seja possível em 2022 uma articulação em que, se não no primeiro turno, mas pelo menos no segundo, todos estejam juntos. Eu acredito nisto”, afirmou, após ser questionado sobre quem escolheria entre Lula e Huck.

Dino jura que Huck deu uma guinada à esquerda e que o apresentador passou a defender pautas apoiadas à bombordo da política. O governador cita um artigo do moço na Folha, em que defendeu que o Estado brasileiro aumente os impostos sobre grupos de maior renda, amplie a rede de proteção social e priorize a educação pública.

“É preciso ser muito pequeno e não priorizar o país para achar negativo que outras pessoas migrem para posições mais próximas às nossas”, opinou.

“Acredito que o Brasil avançou quando, em outros momentos da vida do nosso país, nós fizemos alianças que envolveram a esquerda e setores que não pensam de acordo com nosso ideário, (com) pensamentos liberais, mais pró-mercado”, ressaltou ainda, lembrando os governos de Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek e Lula, este último eleito com um grande empresário como vice, José Alencar.

Resumo da ópera: Flávio Dino quer Lula no ‘Caldeirão do Huck’ em 2022.

Com informações da BBC News Brasil