Lula ao 247: para defender a democracia, nós temos que ser radicais

Compartilhe agora

“O PT não pode esquecer das razões pelas quais ele nasceu”. Com essa declaração, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva insistiu que o propósito do partido que ajudou a fundar é dar vez e voz a todos que não têm, especialmente à classe trabalhadora. Ele concedeu entrevista à TV 247 na manhã desta quarta-feira 5, com participação dos ex-ministros Celso Amorim e Aloizio Mercadante, além do jornalista Leonardo Attuch.

“O PT nasceu com uma característica muito própria: a partir de uma descoberta de que a classe trabalhadora precisava de uma representação parlamentar, no Congresso Nacional. Ou seja, dar vez e voz a quem nunca teve voz nesse país”, disse Lula.

LEIA TAMBÉM:
Lula pede à Justiça adiamento de interrogatório por conta da visita ao papa

Deputado do PT alerta para armadilhas da ‘Carteira Verde e Amarela’; assista

Bolsonaro diz que chefe da Secom está ‘mais firme que nunca’; assista

“Por isso que de vez em quando parece que eu fico nervoso, as pessoas falam que eu estou radical demais. É porque o PT não pode esquecer a razão pela qual ele nasceu: fazer com que as pessoas desprovidas do Estado brasileiro tivessem essa proteção, no campo da educação, do salário. É por isso que o PT tem que radicalizar a democracia”, completou.

Lula falou ainda sobre a política externa de seu governo, respondendo a uma pergunta de seu chanceler, Celso Amorim. Ele também respondeu ao vídeo feito pelo jornalista Alexandre Garcia – e compartilhado por Jair Bolsonaro – menosprezando os brasileiros, falou do seu encontro com o Papa Francisco – que deve acontecer nos próximos dias – e mandou um recado aos petroleiros, que estão em greve.

Assista à íntegra da entrevista de Lula à TV 247:

Por Brasil 247