Bolsonaro, bucha de canhão de Trump, pode iniciar guerra contra Venezuela

Compartilhe agora

O presidente Jair Bolsonaro pode se queimar ao brincar com fogo. Ele vai aos Estados Unidos para se encontrar com seu homólogo, Donald Trump, e discutir possível invasão à Venezuela.

Com retaguarda militar da Rússia e da China, o presidente venezuelano Nicolás Maduro promete resistir à possível investida estrangeira. Porém, o líder bolivariano adverte que Bolsonaro, como bucha de canhão dos EUA, pode levar o Brasil a uma aventura.

Por volta das 19h30 de hoje, Bolsonaro e seu “chefe” Trump se encontrarão em Palm Beach, na Flórida, onde discutiram ações comuns contra a Venezuela.

LEIA TAMBÉM
Trump confirma encontro com Bolsonaro no sábado

Bolsonaro retira diplomatas da embaixada e consulados na Venezuela

Maduro dispara contra Bolsonaro: quer o Brasil numa guerra contra a Venezuela

Nesta semana, quando confirmou a agenda de “prestação de contas” nos EUA, Jair Bolsonaro determinou a retirada de diplomatas da embaixada e de consulados na Venezuela –sinalizando que poderá dar início às hostilidades ao país vizinho.

O presidente bolivariano Nicolás Maduro, em seu Twitter, denunciou que “um plano terrorista foi decidido na Casa Branca para tentar desestabilizar a Venezuela”. “No entanto”, frisa ele, “temos a capacidade de enfrentar todas as dificuldades com inteligência, coragem, estratégia, capacidade de combate e implantação de força.”
Claro, Maduro tem a retaguarda e aconselhamento militar dos presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da China, Xi Jinping.

Será que Bolsonaro, a serviço de Trump, pode levar as potências nucleares à 3ª guerra mundial?