Robinho é condenado por violência sexual em 2ª instância na Itália, mas pode recorrer em liberdade

Compartilhe agora

O jogador Robinho e de seu amigo Ricardo Falco tiveram a sentença confirmada nesta quinta-feira (10) pela Corte de Apelação, em segunda instância, pelo crime de violência sexual de grupo contra uma mulher albanesa, em 2013. Os dois atletas ainda podem recorrer à terceira instância em liberdade, isto é, à Corte de Cassação –equivalente ao Supremo Tribunal Federal (STF) no Brasil.

Robinho e Falco foram condenados a nove anos de prisão, porém somente após o trânsito em julgado da sentença na terceira instância é que o réus podem ser considerados culpados. Ou seja, na Itália presume-se o acusado inocente até o esgotamento dos recursos.

Após o acórdão da Corte de Apelação (2ª instância), em 90 dias, é que os advogados de Robinho e Falco poderão recorrer à Corte de Cassação (3ª instância). Até lá, ambos são considerado inocentes pela legislação italiana.

A decisão em segunda instância (Corte de Apelação), hoje, foi de três juízas: Francesca Vitale (que presidiu o julgamento), Paola Di Lorenzo e Chiara Nobili. Elas confirmaram a sentença da primeira instância.

O jogador Robinho e seu amigo Falco, que estão no Brasil, foram condenados em duas instâncias por supostamente abusar sexualmente de uma mulher albanesa na boate Sio Café, em Milão, em janeiro de 2013. À época Robinho era um dos principais jogadores do Milan.

Santos sofre pressão dos patrocinadores para desistir da contratação de Robinho

Casagrande sobre Robinho: ‘A sociedade tem que parar de aceitar sacanagem como qualquer coisa normal’

Após pressão, Robinho suspende contrato com Santos